Junho Vermelho: saiba tudo sobre a doação de sangue

Publicado em: 14/06/2021

A doação de sangue é uma atividade cada vez mais necessária no Brasil. Ela é uma iniciativa que parte da vontade de cada pessoa e tem como objetivo salvar vidas.

Porém, as pesquisas mostram que o número de doadores brasileiros é de 1,8% da população, o que está abaixo da média de 3% a 5% recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para comparação, na Europa e nos Estados Unidos, a porcentagem de cidadãos doadores fica na faixa de 5% a 7%. Por isso, é importante entender sobre o assunto e, se possível, fazer essa boa ação.

Além disso, no dia 14 de junho é celebrado o “Dia Mundial do Doador de Sangue”, fazendo parte do Junho Vermelho, o mês dedicado à conscientização para aumentar o número de doadores nos hemocentros. Dessa forma, confira tudo o que você precisa saber para se tornar um doador o mais rápido possível.

Por que doar sangue?

Muito se ouve que a doação de sangue é importante, mas por quê? Simples, pois doar significa dar uma chance a mais para uma pessoa viver. Dessa forma, os bancos de sangue precisam constantemente de doações para manter o fluxo de saída para os hospitais. Além disso, nunca sabemos se alguém próximo irá precisar ou nós mesmos em algumas situações.

Para ter uma ideia da importância de se tornar um doador, uma só doação pode ser utilizada para quatro pessoas. Ou seja, quatro vidas impactadas positivamente por um simples ato. Isso porque, infelizmente, ainda não há uma substância produzida que possa substituir o sangue. Existem alguns produtos sintéticos que podem retardar a necessidade de transfusão, mas não servem como substitutos. Assim, o melhor caminho para ajudar a melhorar essa situação é se tornar um doador constante, doando sempre que for possível.

Quais são os pré-requisitos para a doação de sangue?

Infelizmente, não são todas as pessoas que podem doar sangue. Isso porque é preciso estar dentro dos pré-requisitos estipulados pelo Ministério da Saúde e pela Associação Americana de Bancos de Sangue. Essas medidas são tomadas para garantir a doação de um sangue saudável para a reutilização em outro organismo, de forma que algumas doenças e situações passadas pelas pessoas podem tornar o sangue inapto para a doação.

Confira todos os requisitos para ser um doador de sangue:

 – Idade: ter entre 18 e 69 anos (pessoas com mais de 60 precisam ter sido doadores antes dessa idade e menores de 18 anos precisam estar acompanhados por responsáveis ou ter um formulário de autorização).

– Peso: ter mais de 50kg

– Sono: é necessário ter dormido ao menos 6 horas nas últimas 24 horas.

– Alimentação: é preciso estar alimentado. O recomendado é evitar alimentos gordurosos três horas antes e, se tiver almoçado recentemente, esperar duas horas.

– Saúde: pessoas com resfriados, gripe, diarreia constante, febre, mulheres grávidas e durante o pós-parto não podem doar temporariamente.

– Frequência: a frequência máxima de doações para os homens é de quatro vezes por ano, enquanto que para mulheres são de três vezes.

– Intervalo de doação: o intervalo mínimo para doar sangue novamente é de dois meses para os homens e três meses para as mulheres.

Dessa forma, estando dentro desses simples pré-requisitos, você já pode ir até o hemocentro mais perto e fazer a sua doação. Porém, é essencial conferir se você não se encaixa em algum dos tópicos que impedem a doação (abaixo).

Leia também

> Os Perigos da Hipertensão

Quem não pode doar sangue?

Por ter passado por algumas situações ou por fatores genéticos, há pessoas que são impossibilitadas de doar. Isso porque o seu sangue não irá produzir o efeito necessário nos pacientes ou pode ser até maléfico para o organismo de quem está precisando. Então, confira quem não pode doar:

Fatores que impossibilitam a doação de sangue de forma temporária

– Ter menos de 16 anos ou mais de 69 anos

– Ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas antes da doação

– Ser gestante

– Mulheres em período pós-gravidez: 90 dias para parto normal e 180 para parto com cesárea

– Mulheres em amamentação: até 12 meses após o parto

– Ao apresentar febre, resfriado ou gripe, só após a espera de 7 dias depois do desaparecimento dos sintomas

– Ter realizado extrações dentárias nas últimas 24 horas

– Ter feito transfusão de sangue até um ano

– Ter feito tatuagem ou colocado piercing nos últimos 12 meses

– Ter apresentado apendicite, varizes, amigdalite e hérnia nos últimos 3 meses

Fatores que impossibilitam a doação de sangue de forma definitiva

– Doenças: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas

– Drogas: quem faz uso de drogas ilícitas injetáveis

– Hepatite: ter passado a doença após os 11 anos de idade

– Pessoas que já contraíram malária

Em caso de dúvidas, você pode conferir mais informações no site oficial do governo.

Doação de sangue vs Coronavírus

Com a pandemia do coronavírus, o número de doações de sangue sofreu uma queda considerável. Segundo o Ministério da Saúde, em 2020 a porcentagem de doadores pode ter caído entre 15% a 20% no total em comparação a 2019. Por isso, os hemocentros estão fazendo campanhas para que a população volte a doar.

Nos centros de doação, todos os cuidados estão sendo tomados para evitar qualquer contágio do vírus. Assim, o agente de saúde pergunta na triagem se a pessoa já contraiu a Covid-19 ou teve contato há pouco tempo com alguém que testou positivo, além de fazer questionamentos relacionados ao aparecimento de sintomas clássicos da patologia, como febre, cansaço excessivo, tosse e falta de ar.

Em caso do indivíduo contrair a doença, é necessário esperar 30 dias após a melhora completa para poder voltar a doar. Segundo os médicos, não existe nenhuma evidência de que, mesmo após passado esse período, a transfusão sanguínea possa conter alguma carga viral. Esse é o procedimento utilizado em escala mundial.

Mitos sobre a doação de sangue

Ao falar sobre doação de sangue, existem diversas mentiras que foram propagadas e que deixam as pessoas receosas para irem até o hemocentro e doar. Por isso, nós vamos desmistificar essas ideias para você poder ir com tranquilidade fazer sua doação e ajudar a salvar vidas.

A doação prejudica a saúde do doador: MENTIRA

O volume de sangue retirado é baseado na altura e peso da pessoa, assim o sangue do doador volta ao nível normal rapidamente.

Doar engorda: MENTIRA

A doação não altera em nada o peso da pessoa e o volume líquido do sangue é reposto em 24 horas.

Mulheres em fase de menstruação não podem doar: MENTIRA

A perda do sangue menstrual é prevista pelo corpo da mulher e o organismo irá repor de forma adequada. Além disso, em cada doação são retirados em média 450 mL de sangue, o que não representa nem 10% de todo organismo.

Quem teve dengue nunca mais pode doar: MENTIRA

Após o período de um mês entre a infecção e a melhora, o organismo já está apto para a doação de sangue.

Somente maiores de idade podem doar sangue: MENTIRA

Adolescentes de 16 e 17 anos podem doar, visto que nessa idade o organismo já está pronto para a doação. No entanto, eles precisam estar acompanhados por um responsável ou ter um formulário de autorização.

A pessoa corre riscos de ser infectada na doação: MENTIRA

Todo o material utilizado é esterilizado, de uso único e descartável.

Nessa perspectiva, está mais do que na hora de deixarmos esses e outros mitos de lado para podermos contribuir com os hemocentros e hospitais em prol da melhora dos pacientes que precisam de doações. Além disso, não custa nada doar e ainda você tem direito a um dia de folga no trabalho a cada 12 meses por ter se tornado um doador. Assim, só existem benefícios em doar sangue de forma constante.

Dessa forma, a Salute incentiva essa iniciativa e está do seu lado para você ter uma ótima saúde que possibilite a doação de sangue.

Inscreva-se em nosso blog

Receba nossos principais conteúdos diretamente em seu email